Curadorias

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO
Artigo de Livia Torquetti

Os desafios são imensos. As incertezas também. ¨Estamos entre mundos¨, como o Professor português José Pacheco da Escola da Ponte, se refere ao momento atual. E as nossas escolas de negócio estão nos preparando para isso?

Não há profissional ou empresa que não sinta o novo mundo batendo à porta e entrando sem pedir licença. As reações são diversas. Afinal, não é fácil enxergar o que não está explicito. Ou será que já está?

Um dos grandes desafios que temos é olhar para o que conhecemos e criar novas estratégias para atender novas necessidades. E um jeito de chegar lá é permitir e estimular as pessoas a pensar diferente. E como vamos fazer isso?

Em uma conversa informal com colegas do Mestrado, percebi como o ambiente virtual é um grande caminho de mudança na direção do nosso admirável mundo novo. Ainda durante o curso, em Viena, participei de um fórum on line sobre investimentos que as empresas estavam propensas a fazer em ¨Employer Branding¨. No primeiro encontro um especialista da Alemanha apresentou seu ponto de vista. Na aula seguinte outro especialista desta vez um suíço trouxe sua perspectiva, diferente, mas igualmente bem embasada. E o melhor: no terceiro encontro fomos divididos em grupos e convidados a fazer um projeto prático para implementar o conceito em uma empresa austríaca. Os alunos tiveram oportunidade de desenvolver o pensamento crítico e a capacidade de fazer perguntas antes de ir a campo. Nessa experiência virtual vivenciei a diversidade de argumentos, ampliei meu repertório, sem que os professores abrissem mão de suas agendas e rotinas, já que ambos expressaram de onde estavam a essencial liberdade de pensamento.

E se as escolas de negócio pudessem oferecer um currículo orgânico, vivo e dinâmico como são as empresas e as pessoas?

Em cada semestre, alunos poderiam fazer trabalhos de ampliação e experimentação ao ouvir profissionais de empresas de várias partes do Brasil, do norte ao sul, para entender juntamente com eles como questões ligadas a um determinado tema são tratadas na prática. Ao utilizar os fóruns de aprendizado nas salas de aula virtuais os profissionais podem se beneficiar da troca e da diversidade real para conhecer jovens de todo país. Os jovens por sua vez ao perceber seu nível de conexão podem ser um potencial ¨newcomer¨ para um segmento e incluir no seu planejamento de mercado o interesse pelo setor ou pela região. A visualização de segmentos, empresas, lugares e também o entendimento das aptidões, competências, pontos fortes e pontos em desenvolvimento vão evoluir juntamente com o hábito de ouvir e aprender com experiências compartilhadas. O aluno passa então por ciclos de desenvolvimento de soft e hard skills porque cada rodada com os profissionais pode dar origem a mini-projetos que serão ferramentas para formatação do portfólio de práticas.

Para Melinda Gates – em seu livro ¨O momento de Voar¨- o objetivo supremo da  sociedade não é a igualdade e sim a CONEXÃO.

Conexão que nos faz pensar diferente, questionar nossas premissas, ver com outros olhos. O distante, o estrangeiro, o que pensa e vive diferente de nós é capaz de nos oferecer isto. E quantas novas e boas surpresas o mundo virtual pode viabilizar ao nos conectar com as diferenças!!!

Essa é a fluidez do novo tempo, indissociabilidade entre vida, trabalho e aprendizado.

Mais do que respostas prontas, a educação nesse admirável mundo novo precisa oferecer novas conexões e permitir novas perguntas. Como disse Adélia Prado: ¨não quero faca nem queijo. Quero a fome¨.

Agora é com a gente!

 

Lívia Torquetti é Sales Manager, Customer Relationship, Business Development, Key Account.

https://www.linkedin.com/in/l%C3%ADvia-torquetti/