Como o RH deve se preparar para a gestão de capital humano do futuro

A gestão de capital humano não é apenas uma tendência atual, mas deve ser a principal preocupação do RH daqui para frente. As empresas já entenderam que a valorização dos profissionais é o melhor caminho para o aumento da produtividade, diminuição do turnover e crescimento dos negócios.

No entanto, o RH passa por mudanças na sua estrutura em que cada vez mais assume um papel importante na estratégia da organização, fornecendo dados e ajudando na tomada de decisões. Com isso, a gestão de pessoas passa a ser um dos principais focos de atuação dessa área.

Como esses profissionais devem se preparar para um futuro próximo, em que as tecnologias estão cada vez mais presentes e a atuação é voltada para o planejamento estratégico? Para entender os principais desafios dos Recursos Humanos, continue lendo este post.

Feedback em tempo real

O RH tem ouvido muito sobre a necessidade de feedbacks mais frequentes. Com a rapidez das informações e as constantes mudanças, a tendência é que sejam necessários feedbacks em tempo real, com apontamentos precisos sobre processos e ações atuais da empresa.

Essa adaptação vai possibilitar que as transformações necessárias sejam promovidas e aplicadas de maneira pontual, diminuindo o intervalo entre o feedback e a coleta de resultados para uma gestão de capital humano mais ágil.

LEIA TAMBÉM:  Num mundo globalizado, a cultura organizacional ainda tem peso dentro da empresa?

Construção do employer branding

O employer branding é a reputação da empresa como empregadora. Organizações com um bom employer branding conseguem atrair os melhores talentos e abrir uma boa vantagem no mercado em relação à concorrência.

A busca por empregos está cada vez mais calcada no uso de sites de recrutamento e redes sociais como o Linkedin, e os profissionais têm acesso a informações sobre a empresa facilmente, tendo um papel mais ativo do que gerações anteriores.

O employer branding é cada vez mais essencial e para que a empresa consiga desenvolver essa marca, pode começar a observar os processos seletivos internos e coletar feedbacks dos funcionários e candidatos para entender como a organização é vista pelos profissionais. Também é importante saber vender essa imagem para fora da empresa, para que o recrutamento de talentos seja impactado.

Uso de dados

O RH se apoia em dados para a tomada de decisões e construção de estratégias na gestão de capital humano. O People Analytics pode ser usado para construir um plano de sucessão, identificar o funcionário com o melhor desempenho e até mesmo entender qual treinamento é o mais indicado para uma equipe.

O uso dessas informações vai basear todo planejamento da empresa, fornecendo um quadro claro da situação atual e permitindo projeções futuras.

LEIA TAMBÉM:  RH como um Designer Organizacional III - Qual caminho seguir?

Equilíbrio entre vida e trabalho

As pessoas estão em busca de serem felizes, realizar seu propósito e uma vida saudável e valorizam empresas que considerem esses aspectos dentro da gestão de capital humano. As organizações que querem melhorar o relacionamento com os funcionários e garantir melhor produtividade e menor turnover devem instituir desde já programas de bem estar, ambientes com bom clima organizacional e quando possível, flexibilidade de trabalho.

Os cargos de gerência serão ocupados por Millennials

As pessoas da geração Millennial estão começando a migrar para cargos de liderança, e carregando consigo sua abordagem e visão de trabalho. Essas pessoas passam a dividir esse espaço com outras gerações, o que pode gerar grandes diferenças no fluxo de trabalho e dificuldades na interação.

Também surge a tendência de que pessoas com perfil mais conservador passem a assumir papéis de consultoria e assim vamos vivendo num ambiente diverso e sem idade.

Quebra de fronteiras geográficas

A internet diminuiu as distâncias e a gestão de talentos passa a acontecer em um nível global. Uma empresa corre o risco de perder seu melhor funcionário para uma organização de outro país, pagando salários melhores ou oferecendo condições mais interessantes de crescimento profissional e pessoal.

As empresas devem se preparar para acompanhar essas tendências e conseguirem ter competitividade para manter seus talentos mais expressivos.

LEIA TAMBÉM:  RH como um Designer Organizacional I - Um Mundo de Profundas Transformações

Crescimento da importância da transparência na comunicação

A transparência na comunicação e a atuação de uma liderança mais aberta e próxima dos funcionários serão mandatórias na gestão de capital humano do futuro. As empresas têm percebido e trabalhado cada vez mais a importância da qualidade dos relacionamentos entre diversas hierarquias dentro do ambiente corporativo, já que essa nova realidade combinada com a velocidade da troca de informações pode impulsionar ou acabar com a imagem de uma organização.

Isso leva o RH a direcionar CEOs a assumirem maior responsabilidade na cultura organizacional, promovendo a mudança de postura e estimulando uma liderança voltada à inspiração e motivação.

Essas transformações no RH da sua empresa não acontecem do dia para noite. Você pode começar promovendo as mudanças no sistema de feedback, melhorando a comunicação e a partir daí começar a coletar dados e ir fazendo alterações pontuais até chegar no padrão exigido para a gestão de capital humano que vai prevalecer em um curto período de tempo.

As empresas que não se preocuparem com a tecnologia e não tomarem suas decisões baseadas em dados tendem a ficar para trás.

Aproveite para conferir nosso artigo sobre a cultura de feedback e como promovê-la na sua organização.17